O que é dar certo?

Essa semana, um caso ocorrido numa escola no Rio Grande do Sul ficou bastante popular; os alunos do 3º ano da escola, fizeram um recreio temático com o tema ” E se nada der certo”, onde os alunos iriam fantasiados com vestimentas de profissões que eles julgassem ser o que fariam caso “não dessem certo” na vida. Bem, pra quem não soube do caso, lhe convido primeiro a imaginar o que você vestiria (…) Os Alunos foram fantasiados de Atendente de McDonalds, Gari, Camelô, vendedor da boticário entre outras coisas que são julgadas pela sociedade como sem valor.

Isso mesmo, JULGADAS PELA SOCIEDADE. O que aconteceu, foi um rebuliço na internet, pessoas indignadas com a falta de respeito embutida na proposta do evento que foi abraçado pela instituição educacional. E concordo. É uma tamanha falta de respeito mesmo, principalmente quando pensamos com que cara os faxineiros, lancheiros e secretários da escola observaram aquela cena onde os seus cargos, e suas conquistas foram expostas como uma opção de “não ter dado certo na vida.” Fora a insensibilidade e falta de conhecimento sobre o contexto social em que se vive que foi claramente explicitada pelo ato.  E depois de toda essa indignação eu vi inúmeras postagens na minha timeline condenando veementemente a atitude da escola, dos alunos e o evento. Xingamentos, mais julgamentos ( o que chega a ser irônico) enfim; eu também fiquei indignada. Mas quero convidar vocês a refletir um pouco mais a fundo esse cenário.

Vou começar lembrando de um post que fiz aqui no blog, simulando uma carta para minha mãe onde eu afirmava que “Eu não tinha dado certo“; o post na verdade não fala de nenhuma profissão ou conquista especifica, ele é mais um dos posts onde eu tento explicar ou encontrar motivos para as minhas crises de ansiedade. Mas ainda assim, a ideia de “não dar certo” é ligada a não ser feliz. Qualquer um concorda com isso. Agora novamente vou te convidar a pensar: O que é ser Feliz para você? (…) será que felicidade está estritamente ligado a profissão que você exerce? E se for essa profissão é porque você quer mesmo exercer essa função ou porque você quer fazer algo que seja valorizado socialmente? E é aqui que chegamos a um dos pontos dessa reflexão: o que aconteceu na escola do Sul, não é um caso isolado e independente, é um reflexo da sociedade em que vivemos.

Eu estou concluindo um curso de Licenciatura, foi o segundo vestibular que passei para um curso de licenciatura. Eu fiz um dos melhores cursinhos da minha cidade, e passei no vestibular junto com outros tantos de alunos que também passaram, sempre fiquei me perguntando porque eu não fui convidada, a estar no outdoor do cursinho, ou ter meu nome na lista de aprovados como uma conquista. E assim foram os últimos 6 anos desde que saí do ensino médio, várias escolas estampando o aluno que passou em engenharia, direto, medicina, psicologia … mas se você querido escolheu uma licenciatura, ou um curso de artes, ou qualquer outro seguimento que por algum motivo não é valorizado, sinto lhe informar mas quase que não dá pra considerar como vitória você ter sido aprovado no vestibular, na verdade, nem dá pra dizer ” olha como ele é inteligente passou pra licenciatura…” enfim, a gente é acostumado a viver dentro dessa realidade, até porque, as próprias instituições de ensino estão fomentando essa realidade quando desvalorizam o estudante que opta por seguir uma carreira na área de educação. Percebe o problema?

Agora, “ser professor ainda vai, pior é ser gari”; quando você percebe que as instituições de ensino estão reproduzindo um costume da sociedade (e não transformando, depois reflete mais nisso) a ponto de desvalorizar inclusive a sua própria área de atuação, você entende o porque a gente confunde felicidade com que profissão você faz, ou melhor com quanto de dinheiro você ganha. Até porque é uma via de mão dupla, se uma profissão não é tida com valor para uma sociedade, ela obviamente é uma profissão onde se recebe menos afinal, valor = R$. Se é o baixo pagamento que leva a desvalorização ou o contrario, eu ainda não sei. Mas o que eu quero falar, é que caso você não tenha percebido: nós somos a sociedade, ou seja, eu e você, por mais indignados que tenhamos ficado com o caso no rio grande do sul, contribuímos para que esse seja o pensamento.

Contribuímos quando não nos incomodamos, ou quando não vamos reclamar junto a escola do nosso filho o porque não tem no outdoor os alunos que passaram no vestibular de outro curso que não seja “os consagrados”; ou quando falamos ” estude pra não virar gari” ou quando não ensinamos eles a usarem de seus privilégios, para melhorar a vida de quem é desfavorecido socialmente, afim de que abram-se as oportunidades, para que todos tenham um leque maior de caminhos que os possa levar a felicidade. Contribuímos, quando preferimos proteger nossos filhos da dura realidade lá fora, evitando que ele tenha contato com as mais variadas realidades existentes dentro do nosso bairro, cidade ou país. Contribuímos quando falamos ” cuide de construir a sua carreira, pra você ter um carro melhor, ou uma casa muito boa” e esquecemos de dizer ” estude e construa uma carreira pra que no futuro você ajude a construir um mundo onde fulano e sicrano que não tem como hoje, possa ter também a oportunidade de estudar e construir uma carreira.” Contribuímos quando a gente parabeniza e nos orgulhamos ou “valorizamos” com palavras e expressões só algumas profissões e não outras. Nós somos a sociedade, ou seja se achamos a sociedade horrível, em vez de só reclamar, pense: o que eu posso fazer pra muda-la?

Por fim, além de denunciar casos como o que ocorreu, é bom lembrar que ali foi um reflexo de algo que existe e é real. Que não é só aquela escola no sul que mantém esse pensamento, mas várias, é um sistema educacional que é um reflexo da sociedade. Se você achou um absurdo o que viu, veja se você também, inconscientemente, dentro da sua casa, não está contribuindo para isso. Fiscalize a escola onde você colocou seu filho, veja se nas entrelinhas ela não está ratificando esse pensamento e tome uma atitude.

Anúncios

2 comentários sobre “O que é dar certo?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s